• Conte a sua história ao vento,
    Cante aos mares para os muitos marujos;
    Cujos olhos são faróis sujos e sem brilho.

    Escreva no asfalto com sangue,
    Grite bem alto a sua história antes que ela seja varrida na
    Manha seguinte pelos garis.

    Abra o peito em direção dos canhões,
    Suba nos tanques de Pequim,
    Derrube os muros de Berlim,
    Destrua as cátedras de Paris.

    Defenda a sua palavra,
    A vida nao vale nada se você nao tem uma boa história pra contar.
  • I am a
    Sunflower

    What Flower
    Are You?

  • I AM A SUNFLOWER

    "When your friends think smile, they think of you. There is not a day that goes by that you can't find something good about the world and your fellow human."
  • Do Jeito que Passou, Passou…

  • Dia-a-Dia

    outubro 2020
    S T Q Q S S D
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031  
  • Jeitos que Passaram por Aqui

  • Você está sendo monitorado pela Danny

Faz séculos que não apareço por aqui…

Eu volto… pode deixar… eu volto…

Perto do fim, começamos a pensar no início.” (Sr. & Sra. Smith)

05 de dezembro de 2009

Poesia, mensagens, telefonemas, presentes, beijos, abraços, amigos, crianças. Dia de festa. Meu aniversário. Tudo tão perfeito.
Família reunida, amigos queridos. Meu aniversário.

Arrumei a casa correndo pra receber os amigos, porque Sábado foi um dia agitadíssimo: pela manhã confraternização com o pessoal do trabalho dele – sítio, futebol, piscina, falação… apesar da chuvinha foi tudo ótimo! À tarde, feira de ciência da menor de todas – com direito à apresentação oral e tudo. Lindinha minha filha. Enfim, à noite recebi os amigos em casa. Deu tudo certo, estava tudo gostoso e bonitinho, com direito a bolo feito especialmente para mim, de quem ainda está aprendendo… tudo com muito carinho.

Que engraçado. Lista de nomes na porta de boate já não dá mais. Acho que todos meus amigos estão velhos de mais para essas coisas. Mas eu não desisto nunca. E no dia anterior, Sexta-feira, estávamos lá: eu e ele dançando até o chão no Pampa Grill. Nem preciso falar que pra acordar sábado foi um deus-nos-acuda… Velhinha, tadinha.

Gostoso demais ter amigos para sempre – e que juram que gostam da nossa comida. Gosto ainda mais de uma boa companhia para um vinho, que diz palavras doces e refrescam a alma; de filhos que te abraçam e dizem com os olhos marejados o quanto te ama; de uma pessoínha que não ia lá em casa, mas só foi porque era meu niver; de aproveitar a companhia das pessoas que me querem bem e dar o máximo de mim para elas como se fosse o último momento da minha vida.

Adoro fazer aniversário!
Pena que acabou. Ano que vem tem mais!

Feliz aniversário pra mim!

Nasci dura, heróica, solitária e em pé. E encontrei meu contraponto na paisagem sem pitoresco e sem beleza. A feiúra é o meu estandarte de guerra. Eu amo o feio com um amor de igual para igual. E desafio a morte. Eu – eu sou a minha própria morte. E ninguém vai mais longe. O que há de bárbaro em mim procura o bárbaro e cruel fora de mim. Vejo em claros e escuros os rostos das pessoas que vacilam às chamas da fogueira. Sou uma árvore que arde com duro prazer. Só uma doçura me possui: a conivência com o mundo. Eu amo a minha cruz, a que doloridamente carrego. É o mínimo que posso fazer de minha vida: aceitar comiseravelmente o sacrifício da noite.”

. Clarice Lispector in Água Viva .